Tuesday, 15 November 2005

Selo, camarada

Desde miuda que pergunto à minha mãe, sempre que ela chega a casa, «o que é que trouxeste para mim?». Pode soar mal, mas só procuro um saquinho de gomas. Ou um DVD do Público, ou um par de meias. Normalmente não é nada, eu é que gosto de manter a tradição e perguntar.

Por acaso não costumo acertar e ela até traz coisas nos dias em que não pergunto. Como hoje.
Tenho na mão a edição do selo dos CTT dedicado a Álvaro Cunhal. Ou melhor, a «pagela» (nem sei o que é), em edição bilingue, com uma pequena biografia e um selo de 30 cêntimos e outro de um euro. Eu que já nem escrevo cartas, apreciei. É pra guardar.

6 comments:

Jo said...

:) tb quero!
a ver se a minha mãe se lembra de mim...

Xano said...

A minha aposto que se lembra! Pelo menos no Avante trouxe uma bela tshirt com um desenho do camarada

Pim said...

Ora aí está um belo presente... Vou surpreender o meu pai com uma pagela, já amanhã. Sei que vai adorar :)

innocent bystander said...

por acaso são bem bonitos, os selos, mostrando o camarada com as crianças. é comprar pagelas, é comprar que aquilo é de edição limitada.
E até vos digo mais: comprou um pra mim e um pra ela. :-)

Rosa said...

A tradição já não é o que era... De um saco de gomas para um selo do Álvaro Cunhal! Estamos a crescer muito depressa!!!! :)

innocent bystander said...

hehe, Rosa, é a evolução...