Tuesday, 31 January 2006

Adivinha parola

Não durmo sozinha, afinal.
Dorme comigo na cama, debaixo da almofada, um aparelhinho muito útil.
É tão resistente que não lhe mudo as pilhas há anos, nunca mudei.
É prático e deve ter sido inventado por homens preguiçosos.
Porém, nos últimos tempos, tem falhado, o que me obriga a substituir a função que ele deveria ter e resolver a coisa à mão.

O que é, o que é?

Resposta: Estiveram perto. É o valoroso comando da minha aparelhagem Grundig M15, que tenho há dez anos. O leitor de cd não funciona, os deck's de cassetes também não, mas o rádio, graças ao equalizador de pop/disco/jazz/, ainda toca que é uma beleza. Obrigada por terem mandado tantos postais.

Epá tá bem, perdemos...

...mas felizmente não temos um guarda-redes com esta estampa capilar...

(foto Rui Raimundo, ASF)

Dia 5 de Março logo se vê

Pronto, as escolhas deles estão feitas. Ainda não posso dizer muito, basta reparar que dos filmes nomeados ainda nenhum estreou [mea culpa em adenda: excepto o Crash/Colisão, que me passou ao lado porque não vi]. Nota-se o George Clooney por todo o lado, o que só lhe fica bem e a presença única do Match Point no argumento, uma espécie de compensação. Gosto de ver o Philip Seymour Hoffman, o Joaquin Phoenix e a Rachel Weisz, a Catherine Keener. Agora só me falta ir ver o Brokeback Mountain e perceber porque é que o Ledger é principal e o Jake é secundário.


Melhor filme:
Brokeback Mountain
Crash
Goodnight, and Good Luck
Munich
Capote

Melhor realizador:
Steven Spielberg - Munich
Ang Lee - Brokeback Mountain
Paul Haggis - Crash
Bennett Miller - Capote
George Clooney - Good Night, and Good Luck

Melhor actor:
Philip Seymour Hoffman - Capote
David Strathairn - Good Night, and Good Luck
Heath Ledger - Brokeback Mountain
Joaquin Phoenix - Walk the Line
Terrence Howard - Hustle and Flow

Melhor actriz:
Dame Judi Dench - Mrs Henderson Presents
Felicity Huffman - Transamerica
Charlize Theron - North Country
Reese Witherspoon - Walk the Line
Keira Knightley - Pride and Prejudice

Melhor actriz secundária:
Rachel Weisz - The Constant Gardener
Michelle Williams - Brokeback Mountain
Frances McDormand - North Country
Amy Adams - Junebug
Catherine Keener - Capote

Melhor actor secundário:
George Clooney - Syriana
Jake Gyllenhaal - Brokeback Mountain
Paul Giamatti - Cinderella Man
Matt Dillon - Crash
William Hurt - A History of Violence

Melhor argumento adaptado:
Brokeback Mountain
Capote
The Constant Gardener
A History of Violence
Munich

Melhor argumento original:
Crash
Good Night, and Good Luck
Match Point
The Squid and the Whale
Syriana

Friday, 27 January 2006

Notas soltas

Eu sentia que este rapaz, o Carlos Ruiz Zafón, da Sombra do Vento, era um baril. Pois se até mete ensaimadas! Ora vejamos:

(p165):
«Fermin deixou os bolos em cima da mesa e ofereceu-me uma ensaimada acabada de fazer. Declinei a oferta, não seria capaz de engolir nem uma aspirina».

É bom de ver que o rapaz não comeu porque passou por um mau bocado, se não seria impossível resistir.
Mas há mais, sobretudo conselhos sobre relações:

sobre a coscuvilhice (p.111):
«As pessoas para abrir o bico estão sempre prontas. O homem não vem do macaco, vem da galinha»

sobre as mulheres (p.117):
«Recordo-lhe que está a falar com um profissional da sedução e isso do beijo é para amadores e diletantes de pantufa. A mulher de verdade conquista-se pouco a pouco. É tudo uma questão de psicologia, como uma faena na praça. (...) O que acontece é que o homem aquece como uma lâmpada: ao rubro num ápice e frio outra vez num ai. A fêmea, porém, aquece como um ferro de engomar, está a perceber? Pouco a pouco, a fogo quente, mas quando aquece não há quem pare aquilo.
(...)
«Sou pragmático. A poesia mente, embora em bonito, e o que eu digo é mais verdade que pão com tomate. Já lá dizia um mestre: mostre-me um don Juan e eu mostro-lhe um mariconço disfarçado»
(p119): «Eu de miudas sei uma coisas. Digo isto porque, se um dia tiver qualquer consulta técnica a fazer, já sabe. Com toda a confiança, que eu para isso sou como um médico. Sem parvoeiras».

sobre uma velhota: (p138):
«As vizinhas têm-na dopada à base de baldes de brandy e quando a vi tinha caído inerme em torpor no sofá, onde ressonava como um varrasco e expelia umas bufas que perfuravam a tapeçaria».

Thursday, 26 January 2006

É já a seguir!


(Memórias de uma gueixa)

A minha querida Little Arsonist já tem falado deste filme, Memórias de uma gueixa. Ainda não li o livro, mas só hoje me deu verdadeiramente a pancada. Naquela foto ali em cima estão duas das meninas mais lindas que aí andam, ambas protagonistas de Tigre e o Dragão: Michelle Yeoh e Zhang Ziyi, além da Gong Li. A ver, rapidinho.

Tuesday, 24 January 2006

Coisas que odeio

-Manteiga magra que amolece a torrada;
-Fruta muito madura;
- Leitão (o molho sim);
- Bolachas digestivas;
- Programação de TV cheia de erros;
- Os dez minutos de trailas antes de começar um filme e publicidade em geral no cinema;

Game, Set, Match II

Lembro-me de ir ao cinema com os meus pais. De ver filmes em estrangeiro e talvez seja por isso que quando fui para a escola preparatória, dez aninhos acabados de fazer, já sabia falar inglês. O Dias da Rádio, do Woody Allen, é dos que melhor me lembro. Tão delicado, tão divertido.

Mas entremos então no Match Point. Cumprindo a tradição, fui com a minha mãe. O Cine-Teatro do Monumental estava cheio, sobretudo de malta nova, tanto com curiosidade de ver mais um Allen, como para ver o desempenho da Scarlett, maravilhosa a rebolar no trigo quando está a chover. Eu só sabia que ela e o personagem do Rhys-Meyers tinham um caso e que ela era comprometida. Mais nada.

O filme começa e o primeiro plano é logo brilhante: uma bola que bate numa rede e fica suspensa do ar: não sabemos se cairá para o lado de lá, ou de cá, depende da sorte. E todos os acontecimentos do filme rodam à volta da sorte e do azar.

O protagonista vem de um meio pobre e cultiva-se, ouvido ópera e lendo clássicos. Curiosamente, lê o Crime e Castigo. A ascensão será rápida impressionante, mas sem esquemas por aí além. Quem leu, sabe que a história roda à volta de um homem, Raskolnikov, que comete um crime e depois vive atormentado por isso. Aqui, pensamos que vai ser assim também, mas a culpa é ultrapassável o castigo depende, mais uma vez, do azar ou da sorte.

Talvez por ser dia de estreia ou a malta fosse predisposta a rir-se, como é costume nos filmes do Allen, as reacções foram sendo bastante sonoras. Quando um casal visita uma casa e uma das paredes é toda de vidro com vista para o Tamisa, sente-se no ar um «que inveja, quem me dera!» Mais reacções de surpresa e admiração vão seguir-se ao longo do desenrolar da história. O climax surge no momento em que o protagonista leva a cabo a decisão que tomou para se livrar de um embróglio, ao som de uma intensa área de ópera. (É aqui o Otelo, Marujo?)

Às tantas até dá para esquecer que este filme é do Woody Allen. A única lembrança do estilo dos filmes de Nova Iorque é a referência a um casal que se juntou devido a ter «neuroses compatíveis», depois de se ter conhecido num acidente de trânsito.

No final, senti que a sala estava contente. Eu repetia para mim baixinho «tão bom, tão bom, que dez euros tão bem gastos» e só me apeteceu bater palmas, como se faz quando somos novos e um avião aterra em segurança. Pode ter havido quem tenha tido a mesma vontade, mas toda a gente se aguentou.

Agora vão ver, vá.

Eleições II

Liguei no domingo às 5 da tarde à minha avó.

-O teu avô foi agora lá abaixo votar.Eu não fui, é a primeira vez que não vou, mas está muito frio e agora é muito longe.

A modos que mandei vir com ela:

- Então, avó? Não vais? Mas é importante a gente votar por causa do Cavaco! Mas pronto, se o avô foi já não é mau.

- Ai, não me digas isso. Ainda vou lá a tempo!

- Pronto, deixa lá, ainda te constipas.

Desligámos. Liguei hoje outra vez.

- Então, avó?

- Olha, ainda fui votar! Disseste aquilo, vesti-me e ainda fui lá! Pronto, não valeu, mas fui...

É linda de morrer, esta minha avó. E assim encerro a questão presidenciais.

Monday, 23 January 2006

Caramba, melhor que a Maya!


O seu lema é o de nunca perder a sua pose sempre muito cool. Gosta de impor respeito naqueles que o rodeiam e é capaz daqueles olhares que congelam (no bom ou no mau sentido) o seu alvo. De espírito prático mas por vezes demasiado durão.
(visto no Dias Úteis, do Pedro Ribeiro, mas a música por acaso chama-se Take on me)

Aviso legal

É só para recordar que as bolas de gelado do Ben & Jerry's são muito grandes: também, a 2.30 euros cada uma, mais vale.
Assim, quem não é de comer muito, fica bem com uma, no máximo duas bolas. Três já será um esforço hercúleo.

Desculpa lá não ter avisado, mãe...:-)

Sunday, 22 January 2006

Eleições

Espero que perante isto — 50, 5 por cento —, quem ache que o seu voto não faria a mínima diferença, pense melhor para a próxima.

I have a dream (parte sei lá qual)

O meu sonho é ter quem me afague a lâmpada. E afagar de volta.

Tá certo!

You Are In a Crunch Ice Cream

The perfect combo: a completely nuts person who likes to be touched

Número uno?

The Usual Suspects, 1995

New York Super Fudge Chunk

Além do nome, o gelado é mesmo bom. Arranjei companhia do caraças para ir experimentar o dito cujo em pleno Inverno e esperar por boas notícias mais logo. Mais sabores aqui, por exemplo, mas eu já escolhi testar todos pela ordem em que estão no quadro.
Próximos: phish food e cherry garcia.

Saturday, 21 January 2006

Série: mulheres lindas

Lauren Bacall

TM

Quem inventou isto dos ovários e da retenção de líquidos nos primeiros dias do período devia ir de cana. Hoje nem consigo apertar o último botão das calças de tão inchada. Ando enpinada e com as mãos nas costas. Uma nódoa, sofro de Tensão Menstrual, qual pré, qual quê. Não dava para inventar outra maneira de libertar os óvulos não utilizados? Uma maneira mais limpinha e indolor? Rio-me quando me dizem que o nosso organismo é perfeito.

Depois há ainda as enxaquecas. Duas vezes por mês cá me esperam, no espaço de uma semana. Não estando associada à sinusite, já me habituei a pensar que isto não tem cura. Fui a neurologistas, fiz TACS, homeopatas, tomei bolinhas de sanguinária. Já fui à acunpunctura. Foi lá que me disse, com grande lamento, a assistente da minha médica:
- Ai filha, isso a mim só me passou com a menopausa.
Se eu seguir nisto a minha mãe como em tudo, já só me faltam 30 anos.

Deviam ir de cana, estes gajos que inventaram isto...
Só para avisar que terça-feira vou escrever sobre o Match Point, hã? Quem não quiser saber não venha cá!

Thursday, 19 January 2006

Game, set, match


Acabo de chegar a casa depois de ver o Match Point, de Woody Allen.
Superou em muito as minhas expectativas e tenho algumas coisas para dizer.
Mas faço já o compromisso de nada contar até que vocês vão ver. CORRAM!!

Apenas duas notas:
- a banda sonora - Caruso em vez de jazz.
- a cicatriz linda do Jonathan Rhys Meyers por cima do olho esquerdo.

PS: Optei por não contar, porque acho que para este filme se deve ir completamente em branco, sem saber nem ler nada. Eu fui assim e adorei, tal como toda a sala, segundo me pareceu.

Wednesday, 18 January 2006

Prova superada!

To drink my weight, I would have to chug 163 bottles of beer!

Powered by the mighty Rum and Monkey.


É seguro dizer que a prova já foi superada!

Série única: gajas feias

a feia é a da esquerda, claro
Em homenagem à série Alien, em exibição esta semana na sic)

Série: miúdas giras


Pucca

Tuesday, 17 January 2006

Ando a investir o meu tempinho nisto...



Aragorn, Aragorn...

PS: Passo a explicar. A vossa amiga, como referiu ali abaixo, comprou a trilogia do Senhor dos Anéis e encontra-se em modo nerd. Eu gosto daquilo, pá, gosto. Acontece que os filmes vêm com cenas extra, o que obriga cada a um estar dividido em dois cds. Vai daí, não contentes, tem horas e horas de extras. Ou seja: cada caixa traz quatro cds, o que faz um total de 12. Neste momento vou no quarto cd da Irmandade do Anel. Ufa!

Monday, 16 January 2006

As 100 melhores cenas do cinema

Gosto disto, de listas e compilações. A just me sacou uma lista das cem melhores cenas de cinema de acordo com o Guardian, aqui. Parecem-me bem. O número 1 é do Usual Suspects, um dos meus filmes preferidos, daqueles que acabei de ver e pensei: afinal este filme não existiu.

Está lá a cena do duche do Psycho, logo em segundo; Está o ataque à praia ao som das «Valquírias» do Apocalypse Now, que power; está o Casablanca; está o Serenata à Chuva à chuva, está Os Pássaros, quando os corvos se reunem atrás da Tippi Hedren; Está a morte do Willem Dafoe no Platoon; está o Alien, o Seven e uma série de outras maravilhas.

Mas porque é que a Meg Ryan no café a fingir um orgasmo vem só no lugar 48? E o agora adulto Salvatore sozinho numa sala a ver uma montagem de beijos no Cinema Paraíso apenas em 80º?

Bem sei que isto das listas toca à vontade de cada um, mas eu também gosto de pensar que faria diferente.

Será?



Um desvio pelo Carrefour de Oeiras permitiu-me meter no cesto de compras A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón, a par de cremes de Camembert e Rotolinis de queijo. É daqueles livros sobre livros, ao estilo do meu querido Arturo Pérez-Reverte, em que um simples volume muda a vida de alguém.


E acontece que é daqueles que não apetece deixar de ler. Porque, parece que, mesmo que feche o livro, a acção vai continuar a decorrer e eu não estou lá para ver, vou perder o que vai acontecer ao herói. E isso eu não quero. Ai, nunca mais é logo à noite!

Saturday, 14 January 2006

Série: mulheres lindas

Grace Kelly

Tenho em mim o desejo de tudo

-E quero isto, e isto, e hei-de comprar, isto, e aquilo...

Exclama a minha mãe: Mas quando é que tu percebes que não podes querer ter tudo?

Só me ocorre perguntar:

-Mas porquê?

Raízes ao alto

Na quarta-feira passei duas horas no cabeleireiro, um novo recorde para mim. Cheguei lá às nove da manhã, tinha marcado um levantamento de raízes, nome pomposo para uma micro-suave-permanente, parece-me.
Aguentei prai uma hora assim,


com delícias do mar na cabeça. A Natasha, simpática, colocou-me numa cadeira escondida da porta, as senhoras não costumam gostar de estar nesta figura com toda a gente a ver. Enfim, já perto das onze, passámos apenas mousse no cabelo, secou-mo com a cabeça virada para baixo e no final deixei-lhe 63 euros. Nada mau.

Mamilos

Os episódios de O Sexo e a Cidade são sempre bom manancial para discussões fúteis. Ora outro dia deparei-me com um em que a Samantha mostrava às amigas mamilos falsos. Isso, mamilos de borracha, sempre erectos, sempre a dizer estou aqui, e «não graças ao frio».

Numa festa, a Miranda foi a cobaia. Colcou-os dentro do vestido e passeou-se pela sala, mostrando belos mamilos a apontar para cima por baixo do vestido preto. Resultou. Os homens viraram-se para trás olhando para ela. Ou melhor, para elas. Mas isto é na série.

Eu uso há algum tempo daqueles soutiens com uma leve almofada, que me protege das correntes de ar frio, além de darem um conforto melhorzinho. Mas pronto. E na vida real? Como é rapaziada? Numa escala de um a dez - em que o um pode ser a mera erecção involuntária e o dez uma verdadeira comoção cerebral -, que importância tem para vocês mamilos bem visíveis por baixo da roupa?

PS chamativo: Mas isso atrai-vos porquê?

Rebajas e realtas

Vamos lá directo ao assunto: manhã no Cascaishopping.

Fnac:
Jimmy Hendrix, Purple Haze, 3.95 €
Kings of Convenience, Quiet is the new loud, 8.95
Mesa, Mesa, 8.95
The Strokes, First Impressions of earth, 17,95
Trilogia O Senhor dos Anéis, edição revista e muito aumentada, 44,95

Oysho:
Carteiras, carteirinhas, gloss e sombra cor de rosa, 20,40

Springfield:
Mala beige, 19.92

Womens Secret:
Soutien e camisa-de-noite-que-também-dá-para-vestido, 26

Ah, e um encontrão do Luís Represas, que estaciona com recurso ao Mr. Parking.

Agora façam vocês as contas, que a mim dói-me a carteira.

Tuesday, 10 January 2006

Onde é que eles estão, onde?

Numa rápida sondagem ali no café (sim, se a TSF pode ter uma sondagem por dia, eu também posso), constatei que ninguém vai votar Cavaco. Não conheço pessoalmente ninguém que vá votar Cavaco no dia 22.

Sendo assim, onde é que estão os 60 por cento apontados pelas sondagens? Estão escondidos, têm medo? Mas se são tantos, não assumem porquê? Onde é que estão?!...

Correcção

A exposição da Frida Kahlo no CCB sofreu uma ligeira alteração de datas: é de 23 de Fevereiro a 21 de Maio. Obrigada à Rita.

Saturday, 7 January 2006

Conta corrente

2006:


Cinema: O Fiel Jardineiro.
Lindo, lindo. O Ralph está excelente, ela também, com aquele look de quem não tem maquilhagem mas está bem na mesma. Mais uma vez, pequeno grande papel no enorme Pete Postlewaite. O final é como eu gosto, muito pouco Hollywood.

Música: Ainda em branco, na calha os Strokes e os Franz Ferndinand, é só conseguir entrar numa fnac perto de mim.

Livros: Metade do Intermitências da Morte, do Saramago. É para chegar ao fim.

Wednesday, 4 January 2006

Frida?

......

Exposição de Frida Kahlo, de 17 de Fevereiro a 14 de Maio no CCB.
Quem se chega à frente para ir comigo?


Tuesday, 3 January 2006

Monday, 2 January 2006

E por falar em atrasados mentais...

Lá nos calhou um, o Marco Ferreira (já todos conhecem, não é preciso foto, pois não?).

Entretanto o Presidente foi ao Brasil para ir buscar o Ronaldinho Gaúcho...
não, espera, foi o Robinho...
também não, foi o Maradona...
catano, afinal foi o Moretto.

À chegada, houve um estalo num gordo que é de Mirandela. Lamentável. Mas a chapada terá sido mais bem aplicada do que qualquer passe que o Marco Ferreira alguma vez faça.

PS: Desculpa, Zeka, mas há coisas que não se pode deixar passar...

Nem mais!

Your 2005 Song Is

Feel Good Inc by Gorillaz

"Love forever love is free.
Let's turn forever you and me."

In 2005, you were loving life and feeling no pain.