Saturday, 10 December 2005

A poesia dele é melhor do que a minha todos os sábados

A contas com o bem que tu me fazes
A contas com o mal por que passei
Com tantas guerras que travei
Já não sei fazer as pazes

São flores aos milhões entre ruínas
Meu peito feito campo de batalha
Cada alvorada que me ensinas
Oiro em pó que o vento espalha

Cá dentro inquietação, inquietação
É só inquietação, inquietação
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Há sempre qualquer coisa que está pra acontecer
Qualquer coisa que eu devia perceber
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Ensinas-me fazer tantas perguntas
Na volta das respostas que eu trazia
Quantas promessas eu faria
Se as cumprisse todas juntas

Não largues esta mão no torvelinho
Pois falta sempre pouco para chegar
Eu não meti o barco ao mar
Pra ficar pelo caminho

Cá dentro inqueitação, inquietação
É só inquietação, inquietação
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Há sempre qualquer coisa que está pra acontecer
Qualquer coisa que eu devia perceber
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Cá dentro inqueitação, inquietação
É só inquietação, inquietação
Porquê, não sei
Mas sei
É que não sei ainda

Há sempre qualquer coisa que eu tenho que fazer
Qualquer coisa que eu devia resolver
Porquê, não sei
Mas sei
Que essa coisa é que é linda

Inquietação, José Mário Branco, redescoberto com a versão de JP Simões.

6 comments:

diane said...

Esta música ultimamente nao me sai da cabeça...
parece que não sou a única;)

innocent bystander said...

não, não és a única
tu não és a única!! :-)

Jo said...

eu percebi o recado...
a ver se na 4ª já tens o cd :P

a música é mm fantástica!!! :)

um estranho said...

Gosto muito.
Mesmo muito.
Tanto!

Como estás?
Uma boa semana ;)

innocent bystander said...

hehe, não é recado Jo, mas lá que a musica é boa...

Olá Alex, cá estás tu de novo! Tudo maravilha, como vês! :-) Boa semana também

RAA said...

...e a música ainda consegue ser melhor.