Thursday, 22 January 2009

Olha eles

Escrevi, em Novembro de 2005, sim, 2005!, um texto sobre os escuteiros. Foi o mais polémico até hoje, não por quem comentou na altura, mas por quem, ainda hoje deixa comentários num post com 3 anos. Isto diz muito de quem lá vai: normalmente são defensores de escuteiros ou até, pasme-se, escuteiros. Devem andar na net, ávidos para ver quem diz mal deles. Um exemplo que recebi há três dias reza assim:

«epah pessoal nao precebo as vossas tretas contra os escuteiros!!mas kual e o mal??estou completamente farto de ver merdas a dizer mal dos escuteiros!!!!por akaso sabes que se houver um desastre na cidade do porto tipu terramoto sabes quem e que vai ajudar a população dando generos alimentares para a população???SAO OS ESCUTEIROS!!!ate te pode salvar a vida a ti e voces so falam assim pk nao sabem tb o que se divertem!!!!nos tamos fartos de trabalhar para a população e so recebemos tretas a insultarnos!!quem e que dá água nas corridas nacionais??quem e que muitas vezes pratica o bem limpando o lixo destas cidades badalhocas??quem e que muitas vezes vai distribuir generos alimentares nas casas das pessoas idosas??OS ESCUTEIROS!!NO FIM SO NAO PERCEBO UMA COISA!QUE RAIO DE RAZAO DE QUEIXA TEM A POPULAÇÃO CONTRA NOS PAH??»

E não posso deixar de responder. Primeiro porque é escuteiro. Volto a dizer: não gosto das regrazinhas e das hierarquias e os beatinhos (sim, sei que os há seculares) e dos calções no inverno. Se vierem ter comigo para vender seja o que for levam tampa, como outro dia no verão em que vendiam calendários. Calendários a meio do ano? Tenham dó. Depois são eles que «dão água nas provas nacionais». Ui, coitadinhos dos corredores, que senão morriam à sede. Além disso, queixa-se da «população», que responde com insultos. Alguma coisa está mal em vocês, não? Ensinem os paizinhos a fazer nós e fogo com dois paus e eles que vos paguem os passeios.

Depois chateia-me que trate mal o português. Este tipo de escrita com kapas e xis e o diabo enervam-me profundamente. Quem usa, apesar de aparentemente pretender simplificar, só acrescenta letras, ou as palavras ficam iguais, como em «casa» dar «caxa», ou «fez» dar »fex». Se calhar não vêem bem o teclado, também pode ser isso. Já nem vou aos verbos, mas este rapaz vai mais longe. Transforma a fantástica palavra que é «pá», num pah sem sentido nenhum. Escreve-se PÁ, vale? Assim, reitero que vocês me chateiam. E se algum dia um filho meu vos apontar na rua e perguntar o que é, eu direi: «Não fiques a olhar fixamente para os senhores, que é feio.»

11 comments:

I. said...

Palmas! Palmas de pé! É a loucura, a consagração!

Pá, não suporto escuteiros, e não, não lhes compro a porra dos calendários nem a merda das rifas. O que raio estão eles a fazer na rua a vender tretas, aquilo não é suposto servir para ir acampar e comungar com a natureza e camandro? Atão vão lá para a mata e deixem de chatear! Bolas, já me chega o pessoal dos timeshare, que anda a vender óculos escuros, os milhentos pedintes (dos quais destaco o ceguinho rap, que já é património) e ainda uns seres com ar muito manhoso que nos tentam vender uma cena que parece erva mas às tantas é só chá.

Verídico: uma vez andavam os putos ao calor a vender rifas e os matulões dos chefes sentadinhos à sombra a beber coca-colinha fresquinha. Pulhas. Trabalho infantil e abuso de menores, no mínimo.

(me mate andou nos escuteiros. obrigado. ainda não recuperou.)

innocent bystander said...

miuda, o ceguinho rap!! vi esse jovem outro dia no metro, é muito à frente, nunca mais me tinha lembrado!!

Já tinhas dado um lamiré há três anos, precisamente. :-) Tenho pelo menos um comentário por ano a este post, desde então.

Transmite a minha força ao teu mate. Coragem

Xano said...

Xi, granda aviamento! Sabes que o Clive Owen era escuteiro?

I. said...

O ceguinho rap já está no youtube! É o início de uma grande carreira, até me comovo.
Todos juntos: e podem crer que continuo a agradecer que alguém me possa auxiliar, e repete, and so on.

me mate tem histórias de antologia e terror sobre esses tempos passados no mato, sem tomar banho e à mercê de um chefe com tendências militaristas. tadinho.

I. said...
This comment has been removed by the author.
innocent bystander said...

xano: pois sim. Tu, se foste, é melhor contares-me já.

i: momentos passados no mato, coitado. aposto que foi obrigado a andar a vender calendários para ir...

Misunderstood said...

Sou muito contra os escuteiros. Mantenho a parvoíce que dizia há uns anos: «Filho meu que me fale em querer ser escuteiro, pertencer a uma tuna ou a uma claque leva dois chapadões que lhe passa logo a vontade.» Obviamente que isto é levado ao exagero... ou não... Lamento, mas continuo sem ver qualquer qualidade/utilidade em qualquer das actividades acima descritas, a não ser serem chatos «comó» caraças.
Quanto a tratar mal o português, não escreve assim porque é escuteiro... confessa, foi apenas mais uma merda para embirrares!

bonifaceo said...

Fiz três comentários na altura!!
Houve alguém que disse que era ignorância confundir um lobito com um escuteiro. Deve ser por ainda não ter feito a "promessa"... mas se estão inseridos na organização não sei porque não podem ser considerados escuteiros. Só regrazinhas.

Bem, continuo a dizer que conheço gente muito porreira que andou nos escuteiros, de certeza que eles vão dar utilidade lá terem andado, nem que não seja dizerem que servia para passar o tempo.
E eles venderem coisas faz-me sempre lembrar que os de Esgueira correram as terriolas todas à volta para arranjarem dinheiro para irem uns dias para o Açores...

Eu tenho um odiozito porque era do grupo de jovens (nada de dizer mal!), e havia uma certa rivalidade, embora alguns escuteiros também fizessem parte do GJ.

Que grande testamento eu escrevi!

Jo said...

oh pá...eu fui escuteira :D quando tinha 10, 11 anos...
mas nunca cheguei a usar farda...fartei-me antes desse pesadelo chegar.
fiz campismo selvagem :) e até me divertia nos belos convívios de sábado à tarde.

filipa said...

Sou escuteira... e considero-me uma pessoa perfeitamente normal.

Como vês, sei escrever sem erros!

Há poucas coisas que mexam comigo tanto como o preconceito. E em relação aos escuteiros não tenho a mínima dúvida que é isso que se passa.

Há bons exemplos. Há maus exemplos. Como em todos os sítios...

Mas odiozinhos de estimação toda a gente os tem.
Tens os escuteiros, é pena mas realmente não há nada que te possa dizer para te fazer ver as coisas na perspectiva de quem consegue ver o lado positivo do movimento. Não por não saber o que te dizer :) apenas porque contra perconceitos não há argumentos que funcionem!

(o blog é giro :) )

innocent bystander said...

Filipa: assumo em pleno o meu preconceito, ao mesmo tempo louvo e aprecio bastante o teu fair-play e o facto de não me tentares convencer de nada. É refrescante
:-)
ainda assim, não disse que todos os escuteiros escrevem com erros, apenas este. A tua mensagem está perfeita e, mais que isso, compreende-se.