Wednesday, 17 January 2007

Portugueses, ponto

Também quero falar dos grandes portugueses. Não tive oportunidade de votar nos cem primeiros, quando acordei para a coisa a votação estava encerrada há uns dois meses. Restou esperar para ver o que dava.

Neste fim de semana a coisa foi ressuscitada. No sábado à noite estava num bar com televisões. Numa dava o filme A Cela, com a J-lo, esquisito até dizer chega. Eu disse e olhei para o outro aparelho, onde ia começar o desfile dos 100 mais.

Não demorou muito até que quase me esgasgasse com o meu Safari-Cola. Este jovem , o Hélio Pestana, estava no lugar 79, à frente do Variações, do Garrett, do nosso único Papa, da irmã Lúcia (felizmente safou-se o Santo António!!), do Gil Vicente, do Lobo Antunes e mais um bocadinho papava o Bocage. A bem da verdade, nenhum dos citados supra venceu a 2.ª eliminatória da 2.ª edição de Dança Comigo. Cuidado com ele.

Depois vieram os 50 mais. Nunca pensei que a Amália (14º) não estivesse nos 10 mais, mas também me parece que se valorizou um bocado o D. Carlos, que, no fundo, se limitou a ser assassinado (60). Novo engasganço, desta vez num moscatel Bacalhôa, por ver o Pinto da Costa no lugar 17, à frente do cheio-de-tomates Fernão de Magalhães (35), que só deu a volta ao Mundo (bem, quase), e até tem pinguins com o nome dele e um Estreito e tudo, do Condestável (18), do Eça e do D. Dinis.

Consola-me a Padeira de Aljubarrota (51) estar à frente do Jardim (52) e do Padre António Vieira (33) estar à frente da Chata da Florbela. Espanca. (34)

Por fim os 10 mais. Acertei em seis, creio. Não contava com o Aristides tão bem colocado, nem, claro, com o Salazar, já que o intuito da coisa é escolher o «Grande Português». Deu-me um certo gozo o Cunhal chutar o Mário Soares pra canto. O Infante desconfio um bocado do chapéu e do pano, D. João II era um espertalhão puro. O Marquês idem. Deixa lá ver os debates.

8 comments:

Feeling the words said...

Olá, esqueceste-te duma parva que também aparece nesta lista no nº58 : Maria do Carmo Seabra.
Que eu nem sequer sabia quem era e
tive que ir ao site da RTP para saber o historial dela, foi ministra da educação do governo de Pedro Santana Lopes durante 7 meses (de 17 de Julho de 2004 a 12 de Maio de 2005).

Rita said...

ah ah ah! essa foi lá posta com certeza por aquela empresa informática que ela contratou e que deu cabo dos concursos de professores... sempre me pareceu que eram uns hackerzinhos, esses tipos....

cara IB, só não concordo contigo na análise sobre a padeira de aljubarrota vs joão jardim. Para mim, estavam os dois fora. A primeira, lixou-nos esse grande projecto que era a Ibéria, o segundo lixa-nos todos os anos com esse projecto inenarrável que é a madeira. Ela tirou-nos a Espanha, e ele não há meio de nos livrar da madeira. Quanto a mim, empate técnico. Eliminados.

Sobre o Hélio Correia, pá, não sei que te diga, mas parece que o gajo dançava bem, pá.

Rosa said...

Vicissitudes da democracia... :)

Rosa said...

Vicissitudes da democracia... :)

asterisco said...

E não entrou a Floribella!!!!!! Já não há noção da realidade.

bonifaceo said...

Esse programa...! Não quero dizer mal, mas como referiste, há nomes que não se entende como é que alguém votou neles e atingiram o lugar que atingiram. O Pinto da Costa ainda se percebe, por algum gozo e falta de respeito pelo programa. :D

innocent bystander said...

feeling: essa passei por cima, quer dizer, ridículo.

rita: só referi a padeira porque, sendo do mesmo estilo, conseguiu ficar à frente do totó da madeira.

rosa: ai a democracia...

asterisco: pois não, foi só a florbela!

boni: diz mal, pá!

bonifaceo said...

E já agora não digam mal da padeira, fonix, ser espanhol o tanas.